Ordo Fratrum Minorum Capuccinorum

Log in
updated 7:11 AM CEST, Sep 21, 2020

As Casas dependentes do Ministro Geral

O Ministro Geral, para o desempenho de seu mandato, tem à sua disposição frades que trabalham na Cúria Geral e nas demais instituições presentes em Roma.

Há ainda outras sete casas dependentes diretamente do Ministro Geral. Algumas se encontram em Roma, que são: o Colégio “São Lourenço de Bríndisi”, a Casa de Acolhida “São Fidélis” na Via Cairoli, a Consolação e a Garbatella; fora de Roma, encontram-se: o convento de Frascati, sede da formação permanente, e também a fraternidade de Loreto, onde é mantida a Santa Casa; enfim, a fraternidade de Jerusalém, em Israel.

Todas estas casas têm o próprio estatuto e desempenham diversas funções em vantagem da Ordem e da Igreja universal. Os frades que compõem estas fraternidades, como a da Cúria Geral, provêm de diversas partes do mundo.

 

Collegio

Colégio Internacional

O Colégio Internacional São Lourenço de Brindes foi fundado em 1908, junto à Cúria Geral, na Via Bompagni. A sede permaneceu a mesma até a transferência para o atual complexo do G.R.A. , feito durante o Capítulo Geral de 1968 (de 19 de agosto a 25 de outubro).

É uma instituição de formação e de cultura do mais alto grau na vida da Ordem dos Frades Menores Capuchinhos. Tem por finalidade ajudar a aprofundar e transmitir a cultura franciscano-capuchinha e fomentar da melhor maneira possível a formação das gerações futuras dos capuchinhos. É certamente a fraternidade mais numerosa e mais multicultural de toda a Ordem e acolhe frades de todas as cricunscrições para freqüentarem as diversas Universidades Pontifícias presentes em Roma. O Colégio é composto pela família estável e pelos estudantes.

 

Frascati

Convento dos Capuchinhos – Frascati

O Convento de Frascati está situado em esplêndida posição nas colinas romanas. Transferido da Província Romana à Cúria Geral em 1911. De 31 de maio de 2011 até 2016 foi sede da Secretaria da CIMPCap (Conferência Italiana dos Ministros Provinciais Capuchinhos), que, do convento de Roma-Garbatella, transferira-se a Frascati. Por 5 anos, a Cúria Geral, mesmo mantendo a propriedade do Convento de Frascati, confiou sua responsabilidade à CIMPCap.

A parte do convento reservada à acolhida e à formação dos frades foi completamente reformada: foram criados 36 quartos individuais com banheiro, uma ampla sala de recreação e uma sala para conferências e grupos de estudo.

 

Consolazione

Convento dos Capuchinhos – Consolação

O convento da Consolação tem a grande vantagem de se encontrar no centro histórico da cidade, e esta posição oferece a possibilidade de se deslocar facilmente às diversas Universidades Pontifícias ou aos escritórios de trabalho. Apesar de sua posição central, de qualquer forma conserva um ambiente tranquilo, não sendo adjacente a uma rua principal do tráfego de Roma.

A Igreja-santuário de Santa Maria da Consolação é um raro caso de fusão de três igrejas dedicadas à Santíssima Virgem: Santa Maria “in Portico”, Santa Maria das Graças e Santa Maria da Consolação (1506). Daí a presença de três cruzes no brasão e em outros lugares e obras.

Os Frades Capuchinhos têm prestado o seu serviço pastoral a partir da segunda metade do século XVI, como se deduz de uma inscrição em um afresco da sala pequena, na metade da escada. Muitos santos dos séculos XVI e XVII passaram pelo hospital e pela Igreja: sempre se recorda, por exemplo, o serviço aos doentes e a morte de São Luiz Gonzaga, como também a internação de Caravaggio após uma briga. De 1897 a 1947, aí esteve dedicada a Província Romana dos Capuchinhos. A partir de 1948, os espaços acolheram estruturas nacionais vinculadas aos Frades, primeira dentre as quais o Centro Nacional da Terceira Ordem Franciscana. Em 1967, a gestão passou à Conferência dos Ministros Provinciais Capuchinhos Italianos e, a partir de janeiro de 1995, a Casa dos Frades também foi sede legal da Associação C.I.M.P.Cap. Em 2001, foi celebrado um convênio entre a Cúria Geral dos Capuchinhos e o Vicariato de Roma, após a regularização canônica das Igrejas Reitorais da Urbe. Com breve parêntese de governo, da parte da C.I.M.P.Cap. e da Cúria Geral, no começo de 2015 retorna novamente à direção da Cúria Geral da Ordem.

 

Via Cairoli

Via Cairoli

O convento da Via Cairoli – também chamado “Convento di S. Fedele in Urbe” e “Casa de Acolhida” – foi pensado exatamente como casa de acolhida pelo então Ministro Geral, Frei Pascoal Rywalski e seu Definitório em 1978. A coordenação, desde o início, foi confiada através de um acordo à Província de Milão. A sua finalidade é descrita pelo acordo nesses termos: “A casa é geral sob todos os efeitos e tem a tarefa principal de oferecer hospedagem a todos os frades de passagem por Roma”.

É importante notar que é uma “Casa de Acolhida” SOMENTE para os CAPUCHINHOS. Não está aberta à acolhida de outras pessoas.

A sua proximidade à Estação Termini o torna ainda mais adaptado à acolhida. Possui como principais ambientes: capela, sala de refeições e cozinha, algumas salas de leitura, uma sala de reuniões, um jardim interno e uns trinta quartos, alguns dos quais ocupados por membros da fraternidade, os outros à disposição dos hóspedes.

 

Garbatella

Convento da Garbatella

A casa da Garbatella, em Roma, tem uma história especial. Nascida como palacete do Conde Attilio Dario Pozzi de Roma e da Condessa Bulgarini de Sena, terminou por ser um convento pela metade do século passado. A família Pozzi era proprietária de toda a alta colina no Largo delle Sette Chiese, com uma pequena ladeira que dá acesso à Via Pomponia Grecina; e de uma colina-vinhedo (de fato a ladeira paralela se chama Via di Vigna Pozzi), na qual foi construído um palacete em base ao desenho da arquiteta Condessa Lodovica Bulgarini d’Elci, esposa do Conde.

Não há notícias sobre os membros da família. Sabe-se apenas que a jovem esposa do Conde morreu no parto. Tendo ficado só com os filhos, o Conde teve que ceder aos seus contínuos pedidos para que vendesse tudo, “porque a residência era muito longe do centro”. O Conde não queria, mas, enfim, teve que ceder, pondo à venda palacete e terreno, adquiridos pela Cúria Generalícia dos Capuchinhos, que comprou tudo a um preço módico, tanto assim que o Procurador Geral do tempo, Fr. Agatangelo de Langasco, em 15 de novembro de 1949, emitiu à família um atestado de afiliação à Ordem, conservado na sacristia.

Então a Cúria Generalícia, que se encontrava na Via Sicilia, pediu às Monjas Clarissas Capuchinhas da Via Piemonte que cedessem à Ordem o próprio mosteiro, garantindo-lhes que seria construído um novo “na Garbatella”; foi preciso lotear o terreno no qual foram construídos os edifícios ao lado da Via Pomponia Grecina até a área em que se encontram a casa, a igreja e o mosteiro das Clarissas Capuchinhas. Em frente à casa, foi construído um apartamento de um andar para hospedar eventuais parentes de visita às monjas. Por alguns anos, foi posto à disposição da Comunidade de Santo Egídio, que aí abriu uma escola infantil para os filhos das famílias pobres do bairro.

Inicialmente, na casa vivia o capelão das monjas e um irmão leigo encarregado da esmola “pro Monialibus”. Na década de 1970, a casa foi reformada para ser a sede da revista missionária Continenti (outrora “Il Massaja”) e casa de hospedagem para os missionários. Mais tarde, foi escolhida como sede da CIMPCap (à época, era presidente Fr. Dino Dozzi) e, mais recentemente – durante os trabalhos de reforma da Cúria Geral – como residência da Postulação da Ordem.

Hoje, vivem na casa quatro frades capuchinhos. Eles estão envolvidos na assistência espiritual das monjas; na celebração eucarística e confissão das Irmãs Pias Discípulas do Divino Mestre; no apostolado subsidiário: missas e confissões nas paróquias vizinhas, além do hospital Centro Traumatológico Ortopédico. Ultimamente, tem havido várias solicitações de assistência aos moribundos.

 

Loreto

Convento dos Capuchinhos – Loreto

É sabido que, em virtude do artigo 27 da Concordata, estipulada em 11 de fevereiro de 1929 entre a Santa Sé e o Estado Italiano, o Santuário de Loreto, em 28 de junho de 1934, retornou à imediata dependência do Sumo Pontífice, que o confiou à administração de um seu delegado. Enquanto isso, Pio XI, com quirógrafo pontifício de 24 de setembro de 1934, decretava: “É nosso desejo que a Ordem dos Frades Menores Capuchinhos, por Nós chamados para o serviço da nossa Basílica e, especialmente, para o Ministério das Confissões, aí estabeleça sob a direção de um Padre delegado pelo Ministro Geral uma Comunidade de religiosos em tudo exemplar, como convém à santidade da Casa da Bem-aventurada Virgem Maria e à dignidade da Santa Sé”.

À época, era Ministro Geral Fr. Vigílio de Valstagna. Na Analecta Ordinis Minorum Capuccinorum (15 de dezembro de 1934, p. 334), órgão oficial da Cúria Geral, precisava-se, em latim, que os ofícios confiados aos capuchinhos eram os seguintes: “Custódia, Sacristia, Coro e Administração do Sacramento da Penitência”, além da Congregação Universal da Santa Casa, já assumida em 1883. Também se precisava o quanto segue: “A Província das Marcas, que, há três séculos se fez benemérita no serviço do Santuário, é preposta a todos os ofícios a serem desempenhados; os confessores das várias línguas, contudo, são chamados de outras Províncias”, enfim, estabelecia-se que o Ministro Geral, de sua autoridade, por meio de um delegado próprio, tinha a direção de toda a atividade dos religiosos no Santuário. Esta configuração jurídica, salvo breves e esporádicos períodos e ligeiras adaptações, não sofreu mudanças substanciais. Com o passar do tempo, contudo, o serviço do Santuário tem recaído quase exclusivamente sobre a responsabilidade do Ministro Provincial das Marcas – em cujo território se encontra – que tem encontrado notáveis dificuldades em encontrar o pessoal necessário. Por isso, o Ministro Geral dos Frades Capuchinhos Fr. Mauro Jöhri, consciente da importância espiritual do serviço no “primeiro santuário de alcance internacional dedicado à Virgem” (João Paulo II), com o consentimento do Conselho e graças à efetiva colaboração de Fr. Raffaele della Torre, Delegado para o Santuário da Santa Casa, por meio de Decreto específico, estabeleceu em Loreto uma fraternidade generalícia que depende diretamente do Ministro Geral da Ordem, que se empenha em providenciar o pessoal das outras mais de Circunscrições dispersas pelo mundo. Ao mesmo tempo, firmou com o Arcebispo Dom Giovanni Tonucci um Convênio entre a Delegação Pontifícia e a Ordem Capuchinha.

Em 25 de março de 2015, Anunciação do Senhor, solenidade própria da Casa de Nazaré, o próprio Ministro Geral, junto com seu Conselho, com solene e envolvente cerimônia presidida pelo Arcebispo Tonucci, declarou generalícia a fraternidade de Loreto, que compreende religiosos provenientes de oito Províncias, dentre as quais quatro estrangeiras.

 

Jerusalem

Casa de Jerusalém

O bairro de Talbiya, em Jerusalém, onde se encontra o convento dos Capuchinhos, está muito próximo do centro da Cidade Antiga, a cerca de 20 minutos a pé do Santo Sepulcro. O bairro apresenta muitos belos edifícios, a maior parte dos quais foi construída utilizando a típica pedra branca local.

O convento se encontra em uma zona hebraica, considerada uma das principais áreas de Jerusalém, com parques, campos de jogos, passarelas e lugares para o lazer.

Hoje, o Convento depende diretamente do Ministro Geral e a Fraternidade local é internacional. Há frades provenientes de províncias de todo o mundo: entre elas, diversas províncias da Índia, do Zimbábue, da Itália e do México.

Alguns frades se ocupam da gestão do centro e da fraternidade, outros são estudantes de estudos bíblicos e outros, ainda, prestam serviço aos trabalhadores imigrantes indianos em Israel, nas línguas concani e malaiala.

O convento é também um lugar de formação permanente da Ordem. O Secretário Geral para a Formação oferece um curso de um mês a três grupos distintos: um em italiano, um em espanhol e português, e um em inglês e francês.

O centro de espiritualidade se chama “Eu sou a luz do mundo”. É utilizado por bispos, sacerdotes, seminaristas e outros religiosos para anos sabáticos, estudos, breves cursos e exercícios espirituais. O convento, contudo, não é para grupos de peregrinos.

A estrutura foi utilizada para encontros por estudantes de teologia salesianos e frades menores, agentes de pastoral em Israel, religiosos africanos em Israel, católicos de língua hebraica, etc. O centro dispõe de 26 quartos, dos quais sete singles, onze duplos, dois triplos e seis podem acolher quatro ocupantes cada; no total, há 59 vagas. Todos os quartos são dotados de banheiro (privado), espaçosos, bem arejados e com controle individual de temperatura. A Igreja é espaçosa, bela, moderna, e combina o nosso ambiente hebraico com uma estimulante arte cristã. No interior da igreja, há uma bela capela, onde os frades celebram a Liturgia duas vezes ao dia.

O refeitório pode acolher comodamente sessenta pessoas. A “minibiblioteca” e a sala de estar proporcionam aos nossos hóspedes um amplo espaço para debates em grupos menores. A sala maior pode acolher cerca de cem pessoas.

Convidamos todos a visitar os Capuchinhos em Jerusalém e a agendar seus retiros espirituais, encontros, etc. Pedimos-lhes para enviar um e-mail a [email protected] Esperamos vê-los em breve!

Última modificação em Terça, 21 Julho 2020 21:43