Ordo Fratrum Minorum Capuccinorum 2

Log in
updated 8:43 AM UTC, Dec 7, 2022

Beatos Leonardo Melki e Tommaso Saleh, missionários e mártires do Líbano

No dia 4 de junho de 2022, no convento das Irmãs Franciscanas da Cruz em Jal el-Dib, junto a Beirute, lugar conhecido por todos os libaneses como o primeiro hospital para doentes mentais do Líbano fundado pelo Beato Giacomo da Ghazir, frade capuchinho, foi celebrado o rito de beatificação de Leonardo Melki e Tommaso Saleh, sacerdotes capuchinhos mortos in odium fidei durante os terríveis momentos de perseguição contra os cristãos do Império Otomano na península da Anatólia entre 1914 e 1917.

A celebração eucarística e o rito de beatificação foram presididos pelo Cardeal Marcello Semeraro, Prefeito do Dicastério para a Causa dos Santos e enviado Pontifício para a proclamação da Carta Apostólica, na qual o Santo Padre Francisco indica os dois frades capuchinhos como "heróicos missionários de o Evangelho de Jesus Cristo” e marca a sua memória litúrgica para o dia 10 de junho.A celebração contou com a presença de mais de 4.000 fiéis cristãos, autoridades das igrejas maronita, melquita, armênio-católica, siríaco-católica, de rito caldeu e, claro, Mons. Cesar Essayan, ofmconv., Vigário Apostólico de Beirute de rito latino. Também estiveram presentes o Cardeal Mario Grech, numerosos bispos, o Ministro geral, fr. Roberto Genuin, ofmcap, Custódio do Líbano, fr. Abdallah Noufaily, Postulador Geral, fr. Carlo Calloni, ofmcap., Pe. Antoine El Haddad, ofmcap., Que executou e concluiu o precioso e fiel trabalho de recolher os documentos e testemunhos do Padre Salim Rizkallah, ofmcap. Sem esquecer a presença de todos os frades da Custódia Geral do Líbano.

O momento solene da beatificação foi precedido por uma semana de encontros, vigílias de oração, procissões, transmissões de televisão que permitiram aos cristãos do Líbano expressar sua gratidão pelo grande dom da beatificação de Fr. Leonardo e Ir. Tomás.Em seu agradecimento, Mons. Cesar Essayan destacou como o martírio dos dois capuchinhos, mesmo que tenha acontecido há mais de 100 anos, ainda hoje fala porque, disse ele, "celebramos não dois irmãos mortos, mas dois irmãos ressuscitados em Cristo, que nos mostram o caminho da santidade".O Ministro geral, na carta enviada a todos os frades, destacou como os novos beatos capuchinhos encorajam toda a Ordem a mostrar ao mundo como a vocação capuchinha tem em si um forte compromisso missionário e uma confiança radical em Deus, mesmo nos tempos de guerra e perseguição que ainda hoje não faltam.O grande evento da beatificação teve sua conclusão natural com a celebração da Missa de ação de graças, em rito maronita, presidida por Sua Beatitude o Patriarca dos Maronitas, Cardeal Béchara Boutros Raï, O.M.M., na pequena igreja de Baabdad, a berço dos dois novos beatos.

É desta pequena aldeia de Baabdath que partiram os dois sacerdotes e missionários capuchinhos que, como recordou o Santo Padre Francisco, "eram jovens, não tinham 35 anos", mas puderam oferecer a vida pela fé, num abandono confiante na esperança e com doação de si mesmo na caridade a Deus e ao próximo. "Uma salva de palmas aos novos Beatos!" assim concluiu o Papa Francisco.

 

Última modificação em Terça, 14 Junho 2022 09:11