Ordo Fratrum Minorum Capuccinorum 2

Log in
updated 8:43 AM UTC, Dec 7, 2022

Frei Flávio Roberto Carraro OFM Cap (1932-2022)

Flávio Roberto Carraro, ex-ministro geral e bispo emérito de Verona (Itália), partiu discretamente na noite de sexta-feira, 17 de junho de 2022, da enfermaria dos capuchinhos em Conegliano (TV). Nasceu em Sandon (VE) aos 3 de fevereiro de 1932 e muito jovem ingressou com o hábito nos Frades Menores Capuchinhos da Província de Veneza, no noviciado de Bassano del Grappa (VI), em 14 de agosto de 1948. Emitiu os votos perpétuos aos 23 de março de 1953, foi consagrado sacerdote em Veneza pelo cardeal Angelo Giuseppe Roncalli, posteriormente declarado santo, em 16 de março de 1957. Passou os primeiros anos de experiência pastoral como formador e professor no Seminário Seráfico de Thiene (VI) até 1962, quando foi enviado a Jerusalém como aluno do «Studium Biblicum Franciscanum», obtendo posteriormente uma Licença em Sagrada Escritura do Pontifício Instituto Bíblico de Roma em 1965. No ano seguinte (1966) fr. Flávio ​​​​foi nomeado Diretor do Estudo Teológico «Laurentianum» em Veneza e Professor de Sagrada Escritura. Em 1970, em pleno clima pós-conciliar, foi nomeado Reitor do Colégio Internacional "San Lorenzo di Brindisi" de Roma, para retornar logo depois à Província de Veneza, sendo eleito Vigário Provincial (1972) e Ministro Provincial (1975-1981) de Veneza. O bom Deus, no entanto, desejou que ele continuasse a servir seus frades com um coração ainda maior, porque no ano seguinte foi eleito Ministro geral no Capítulo de 1982 e reeleito no seguinte em 1988.  É no amor e na dedicação aos frades de todo o mundo, que frei Flávio consegue dar o melhor de si visitando todas as Circunscrições, fundando novas Províncias e ampliando a presença da Ordem com a abertura de novas missões. Entre suas muitas qualidades, que permanecem memoráveis, estavam a memória férrea em lembrar os nomes de todos os frades e a atenção às pessoas, mesmo após a visita. Em 1996, São João Paulo II o nomeou bispo de Arezzo-Cortona-San Sepolcro (Itália), sendo consagrado bispo na Catedral de Arezzo em 7 de agosto de 1996. O mesmo pontífice o promoveu à sede de Verona em 25 de julho de 1998, onde fr. Flávio permanece bispo até 8 de julho de 2007, quando renuncia por limite de idade. Entretanto, será ele quem dará as boas-vindas a Bento XVI durante a Convenção Eclesial Nacional (2006) em Verona. Retornando à comunidade com os frades em julho de 2007, em 2017 foi transferido para a enfermaria de Conegliano (TV) para o encontro final com Jesus ressuscitado, a quem tanto amava.

A Ordem dos Capuchinhos, a Igreja e a "missio ad gentes" eram os três horizontes da rica existência deste humilde filho de São Francisco de Assis. Fr. Flávio conseguiu orientar sua Ordem na esteira da renovação desejada pelo Concílio Vaticano II, através dos Conselhos Plenários da Ordem (1981, 1986, 1992), a publicação das Fontes Capuchinhas – que ele desejava fortemente –, nas vestes de jovem secretário (1963-1964) de fr. Clemente Vicentini, Administrador Apostólico de Foggia, quando ainda vivia São Pio de Pietrelcina e como Presidente da União dos Superiores Gerais (1991-1994). Promotor de relações, cultivou uma profunda comunhão com a Igreja universal participando do Sínodo dos Bispos em 1987, 1990, 1994 e da Assembleia para a América Latina em Santo Domingo (1992). Onde a Igreja exigia a presença dos Frades Menores Capuchinhos, fr. Flávio respondia, se pudia, generosamente enviando novos funcionários. No entanto, foi o empenho missionário dos frades e sacerdotes por suas dioceses que mais acendeu o coração de fr. Flávio, frade e bispo. Na Ordem logo iniciou a autonomia das jovens Circunscrições, onde era possível, favorecendo a fraternidade com os superiores locais e a formação de candidatos radicados no território. Dedicou-se à animação das Clarissas Capuchinhas e de muitas outras Irmãs de Institutos Religiosos de inspiração franciscana e não franciscana, e viu na cultura um caminho privilegiado para a transmissão do carisma em outros países. Não surpreendentemente, em 1992, São João Paulo II quis que ele fosse membro da Congregação para a Evangelização dos Povos. Por fim, o frei Flávio, durante seu serviço no governo, teve a alegria de ver muitos de seus irmãos capuchinhos subirem às honras dos altares, como São Leopoldo Mandić (1983) e São Pio da Pietrelcina (2002), os dois santos da misericórdia. Fr. Flávio Roberto foi um "pai" para muitos frades, para muitos padres e para muitas pessoas; e como sempre acontece com um pai, quando ele nos deixa, ainda que em silêncio como ele fez, fica um vazio, mas também uma herança preciosa. Enquanto, com a oração do sufrágio, o confiamos ao Senhor da vida para que o acolha na sua misericórdia para gozar de plena alegria na Ressurreição, colocamo-nos diante do Senhor para pedir a graça de conservar preciosamente o seu testemunho de frade autêntico e apaixonado, que soube contagiar muitos frades no responder com seriedade a própria vocação.  Ele foi visitar todos os frades em suas casas, visitando as Circunscrições da Ordem, queria ver seus rostos e ouvir seus nomes, que sua memória prodigiosa lhe permitiu lembrar: saberá recorda-lhes ainda mais agora diante do Senhor . Ele amou seus frades.

Que o Senhor, que recompensa cem vezes mais aqueles que se entregam por amor a Ele, seja agora a realização de todo o seu trabalho.

Última modificação em Segunda, 20 Junho 2022 15:46